Crítica social e um grito de desabafo dão forma ao novo EP da W4

Mais que uma banda, como amantes da música sempre buscamos trazer força e sentimento para nossos trabalhos. Toda a crítica e a revolta, tão presentes nos dias atuais, nos ajudaram a encontrar o norte nas composições de 'Estado de Guerra' - nosso novo EP.

Em 'EDG', tratamos dos desafios do cotidiano e todo o seu impacto nas vidas de cada um de nós. Seja na convivência em sociedade, no trabalho, no amor, ou simplesmente em nossos vários conflitos internos; cada um de nós tem seu dragão para enfrentar, uma batalha a travar, mais um dia a se sobreviver... Vivemos em um constante estado de guerra.

Digipack EP 'Estado de Guerra'

Essa é a mensagem que buscamos passar com cada uma das faixas em nosso mais novo trabalho, contando com cinco composições inéditas e uma velha conhecida que, assim como cada um de nós, encontrou novos ares nos últimos anos.

Todo o trabalho, é claro, foi feito com muito carinho e dedicação, incontáveis horas em estúdio ensaiando, escrevendo e reescrevendo, quantas vezes foram necessárias até atingirmos o nosso único objetivo, a nossa mensagem: por piores que possam parecer os desafios, algumas vezes até mesmo intransponíveis... Nada pode impedir a força da sua própria vontade, um espírito que teima em se manter inflamado e um coração sincero, basta se ter a coragem de tomar o primeiro passo, quebrar a primeira das correntes e deixar ecoar o seu grito.

Então se prepare, clique no play e esperamos que aproveite, é tudo pra você!

Escute agora "Estado de Guerra" nos principais serviços de música!

Foto Banda W4

A Banda

A W4 se formou em 2008 na cidade de Lorena, interior de São Paulo, com um grupo de amigos que almejava fazer de sua paixão em comum, a música, um meio de vida.

Passando por diversas mudanças e formações, a técnica que surpreende e energia no palco se mantém sempre presentes em cada um dos shows realizados nestes oito anos de história.

Com um estilo marcado por influências de ontem e hoje, indo do rock alternativo e rock clássico ao new metal e metal progressivo, a W4 esteve presente em grandes shows e vários dos principais eventos musicais do Vale do Paraíba, cativando o público a cada nova apresentação.

Saiba mais

Taciturno

Composição: Juliano Melo

Existe uma antiga lenda, por poucos ainda lembrada, que narra a jornada de um herói em busca de sua amada. Munido do poder do fascínio, este herói enfrentou árduo caminho e até mesmo os mortos, movido pela saudade daquela que lhe foi tão cedo e injustamente afastada. Seus esforços, porém, perderam-se já ao fim da épica missão, quando a ânsia do herói em estar com seu único amor os separou uma vez mais, pela última vez.

Gostei

Ordos

Letra: Jonathan Célio, Ronald Esteferson

Ao norte da China, em meio aos desertos, ergue-se Ordos. A cidade foi projetada, em cada detalhe, para que tudo evocasse glória e progresso - uma metrópole do futuro. O sonho, porém, jaz abandonado nas praças e ruas vazias de Ordos, cercadas por enormes prédios e construções decadentes que encontram nas vis criaturas e bestas noturnas seus poucos respiros de vida, completando o cenário de uma cidade fantasma.

Gostei

Letra

Desalento marcado em todo lugar
(Desdém geral)
Tão profundo que brio
(Consegue escapar)
A dolência velada está
Silencio tão alto que não há, como evitar

REFRÃO
O horizonte está escondido
(Não há panorama para continuar)
A única solução é ir embora
E largar tudo para trás

Olho para o espelho
Tento me encontrar...
(Em meio a todo mal, busque seu próprio altar!)

A raiva e o ódio
irão me perseguir!
(Previna-se da dor, é hora de partir)

Existem ruas calmas
Nesse poço sem fim!
(Mas ninguém te dá valor, são tempos ruins)

Despertar potencial
Pra ouvir o coração
Pegar a contramão
Buscar a redenção!

REFRÃO

Tempo de Acreditar

Letra: Jonathan Célio, Ronald Esteferson

São tempos difíceis para os sonhadores, de fato... Quando todos os objetivos podem ser tão facilmente banalizados, no mundo líquido onde vivemos, é necessário um grito de esperança. É necessário encontrar nos erros a centelha que inflama um novo começo, é tempo de acreditar.

Gostei

Letra

Sempre houveram palavras que te fizeram pulsar
Hoje não mais, te vejo cair em alto-mar
Enfrentar as consequências
Encontrar um caminho para continuar

Não há vitória sem esperança
Basta você acreditar!
Ninguém é especial, respiramos o mesmo ar
Não importa o caminho, acabaremos no mesmo lugar

REFRÃO
Abra suas asas, tente alcançar
Sinta fluir em teu sangue sem brandar
Encare seus sonhos com a sede de ganhar
Sinta sua coragem, é tempo de acreditar!

Buscando por mais expectativas
Você não quer acreditar
Seus sonhos não estão perdidos
Estão trancados em algum lugar
O futuro e o destino
Você ainda pode controlar

Cada um tem o seu desafio
Você também terá o seu
Somos todos diferentes
Mas respiramos o mesmo ar

Não importa o que caminho que escolhermos
Ao fim de tudo nós estaremos imersos ao seol.

REFRÃO

É tempo de acreditar... em você.

Vida

Letra: Ronald Esteferson

Quando a empatia e júbilo se perdem, tornando-se em abstratas memórias as quais nos apegamos tão debilmente, então somos todos reféns na prisão de nossas próprias almas. A crueldade e o descaso parecem ser palavras de lei em cada um de nossos breves contatos, seria esse o verdadeiro propósito do que chamamos vida?

Gostei

Letra

Várias vidas surgindo
São almas puras que vem ao nosso encontro
Enquanto corações fortes sangram por amor e a atenção
Há frieza nas espadas dos heróis abatidos
Por suas próprias emoções
E dragões conquistando as veias do mundo

É assim que vejo a nossa realidade
Ter amigos tomados pela maldade
Sem forças para reascender suas almas
Pra enfrentar a injustiça e reerguer os seus irmãos

Por que é tão difícil ser forte?
É tão cruel ter a esperança à morrer
Engravatados mordem as mãos que os alimentam Sem pensar que elas serão as mesmas mãos ásperas
Que o acariciarão no final, e pelo abismo o empurrarão

REFRÃO
Tudo que estou a ver
Não posso me conter
Eu preciso expelir
Desabafo a você!

Nuvens negras pairando sobre os nossos dias
Transformando alegrias em apenas lembranças
Só lembranças.

Uma canção a cada profecia
Passagens destruídas por nossos monstros
Lembranças dos dias claros são tomadas pela distância
Desejos obscuros tomam corações
Que clamavam por justiça

Canhões não trazem a paz
Vidas são levadas sem compaixão
Engravatados mordem as mãos que os alimentam
Sem pensar que elas serão as mesmas mãos ásperas

Que o acariciarão no final
E pelo abismo o empurrarão!

REFRÃO
Transformando alegrias em apenas...

Um país se perdendo. Apadrinhado por temores
Hoje a ferida da carne é menos densa que a injustiça da alma

O meu ultimo esforço foi-se em vão,
Transformando-se em apenas destroços do meu coração
Que se partiu, ao sentir esse ultimo lamento
Que me torna cada vez mais fraco

Já não há mais preces que possa fazer o meu dia melhor
Sem rezas que cure o que há ao meu redor

A essência de meu subconsciente me deixará dormir aos
Pesadelos durante o resto da noite
E se tudo que me consome e vejo acontecer é o que
Chamamos de vida, então eu prefiro dormir sozinho
Em um casulo de paz, nas profundezas do mar

REFRÃO
Hoje a pureza dessas almas se desvaneceram
Pela consolidação de um sentimento rejeitado
E um carma que é carregado por nós
Que vivemos a sós

Se isso é uma guerra, dou-me como derrotado
Não há forças para lutar
NÃO HÁ!

Engravatados

Letra: Jonathan Célio, Ronald Esteferson

O que se fez da liberdade? A esperança sufoca-se em meio as gravatas dos decrépitos que a tudo regem, há muito corrompidos, eles patrocinam injustiça, dor e as guerras que banqueteiam os corvos. A revolta é inevitável, bem como o atrito que se instaura entre os semelhantes, será possível salvar-se da destruição?

Gostei

Letra

Tempos sombrios nós vivemos
O sol se põe sem previsão de volta
Tantos males influentes ao redor
Será possível salvar-se da destruição?

Tudo à nossa frente e não há nada
Para amenizar esse clamor
Sentimos as grandes gravatas
A nos encurralarem
E jogar nossos futuros aos ares

Até onde vai a escuridão?
Quando daremos as mãos?
A cadeia da verdade busca te assombrar
Só vejo um mundo brutal!

Nações inteiras em conflitos e guerras
Guerras sem tréguas
Vírus destruindo razões
Exterminando nossas opções
E ainda assim o poder é o que importa!
Pessoas perdem suas emoções
O poder está acima de tudo...
Mas faça além, busque em seu coração!

Dor, rejeição, agonia e imperfeição
Solidão, destruição, fome, sede e omissão
Sem razão, a escrotidão são os governantes sem coração
Guerra interna sem previsão de final e salvação...

O país em que vivemos não pode te ajudar
Os ideias por quais lutamos são jogados ao mar
A luta parece perdida. Não podemos abdicar
E a pergunta que sempre faço é: Como eu posso melhorar?

Em um lugar que é nosso e fazem o que querem
Não se importam com crianças, com homens e nem mulheres
Promessas em discursos só pra te convencer
Mas no final das contas não se importam com você!

Só poder e mais poder é o que almejam
Não importa as consequências
E temos que assistir com a impotência
De não sermos capazes de mudar...

Rasgue sua garganta.
Se disponha a mudar

Seja diferente e
Faça a alma brilhar!
Você pode muito mais,
Você pode ajudar

Quantas canções escreverei
Até que alguém poder ver?

Sinta a bondade em seu coração
Se sinta tocado, aflore a emoção
Não seja um enfermo
Acredite em você
Esteja forte como é e mostre o seu poder

Expresse a todos sua indignação
Cuide de seus próximos, abrace seus irmãos
Esqueça as dores
E enfrente os rancores
Não seja parte dessa guerra que ve

Se você pode ser diferente
Então seja...
ENTÃO SEJA!

Acabou - Versão 2017

Letra: Juliano Melo, Ronald Esteferson, Jonathan Célio

A inocência da expectativa pode ser a maior vilã de um coração sincero. Quantas vezes apostamos todas as fichas em um sonho, em um alguém, apenas para nos vermos acorrentados pelo medo e a relutância em aceitar que aquilo já não nos traz a felicidade. Acabou fala sobre as dores das desilusões amorosas, nos lembrando porém, que nunca é tarde para dar uma nova chance ao coração.

Gostei

Letra

Acabou
Me cansei de te procurar
Chegou a hora de deixar ao ar
O egoísmo não falou por mim

Suas palavras não expressaram a verdade
Mas mesmo assim estava lá, decidida a me enganar
(Tente ver)

Sempre inventei essa história
Onde só meu personagem é capaz de se entregar
Somente hoje eu pude abrir meus olhos
E perceber que tudo foi uma ilusão

REFRÃO
Despertei de um grande pesadelo
É a hora de te deixar partir
Seguir o meu caminho é a melhor das opções
Eu não pretendo mais me iludir

Sacrifícios feitos por você
(Sonhos de um futuro melhor) com você
Mas cansado dessa confusão, irei me recompor
A hipocrisia é o seu grande amor

Acabou
Não irei mais me render
Sentindo-me farto de ser meu próprio revolver
Ao fim da história sei que será melhor ser assim
Ouço tocar o clarim, o sinal de que chegamos ao fim

Personagens irresponsáveis
Lembranças irreparáveis
As suas atitudes me mostraram quem tu és
Se pensa que és minha amiga, minha amiga pode ser
As histórias que tivemos não dá pra reviver

O futuro nos espera, ainda está pra acontecer
Mas pode ter certeza que ela não será você
Então esqueça o que passamos, pois pude compreender
Hoje despertei de um sonho, eu tenho muito o que viver

REFRÃO

Acompanhe a W4 nas redes sociais:

Wallpapers
Gostou das artes do EP? Aqui você encontra todas, para levar sempre com você.

Loja W4
Vista, espalhe, presenteie. Leve pra casa 'Estado de Guerra'!

Ficha Técnica
Conheça todos que colaboraram e participaram da criação do EP

Direção e Produção Executiva
W4
Produção Musical
W4 e Feeling Ritmos & Cordas
Vozes
Ronald Esteferson e Jonathan Célio
Guitarras
Jonathan Célio
Baixo
Ronald Esteferson
Bateria
Juliano Melo
Orquestras, teclados, pianos e sintetizadores
Ronald Esteferson e Juliano Melo
Quantização da bateria
Plínio De Assis Maia
Mixagem
Alexandre Freitas
Masterização
Alexandre Freitas
Direção de Arte
Ana Livia Nunes e Jonathan Célio
Ilustrações
Estudio Miopia
Fotografia
Rodolfo Magalhães
Maquiagem
Guilherme Bass
Lyrics videos
Parabellum Design & Illustration
Redação
Luiz Fernando Tavares
Agradecimentos especiais
André Estevão Nogueira, Eric Moore, Felipe Chinaqui, Gabriel Barbosa, João Silva, Karen Mirian, Raynan Luiz